Felicidade, um novo paradigma socioeconômico

Por Heloir Cristiano Schwaickardt

A alegria pode ser entendida como a reação derivada de uma situação em que há associação de elementos bons ou prazerosos com os quais você já teve alguma experiência relacionada é uma espécie de sistema de lembranças e emoções que funciona para gerar a sensação de felicidade. O bem-estar físico e mental propicia o bom humor. Emoções positivas, níveis de satisfação e a ausência de sentimentos negativos configuram a combinação para se entender a felicidade.

De acordo com a máxima retirada do livro A Conquista da Felicidade , publicado em 1972 e escrito por Bertrand Russell, notável matemático e filósofo do século XX, “o gosto de viver é o segredo da felicidade e do bem-estar”. O “viver” está no experimentar e compreender suas possibilidades e anseios de realização. Há muito existe a busca pela felicidade: enquanto uns se apoiam em construir carreira e conquistar patrimônio, outros buscam a felicidade em viagens, matrimônios, constituir família. As pessoas querem realizar essas vontades para se sentirem plenas e, consequentemente, felizes ー mesmo que, por vezes, acabem batalhando por algo que não trará o que foi esperado.

Segundo a psicóloga e antropóloga Susan Andrews, nunca se viveu tanto e tão bem na história da humanidade. Para constatar isso, é só observar como eram difíceis, num breve passado, certas tarefas e obrigações que hoje são resolvidas com o toque de um botão. A praticidade e a melhora de vida, contudo, não garantem de todo a felicidade geral. Segundo o relatório Depression and Other Common Mental Disorders  de 2017, produzido pela Organização Mundial da Saúde, a depressão se tornou um dos piores problemas de saúde pública no mundo. As pessoas estão estressadas ao ponto de se agredirem fisicamente em discussões de trânsito; jovens cometem suicídio, desenvolvem doenças e transtornos psicológicos; enquanto as crianças estão se tornando medrosas e obesas.

Há outros estudos no sentido de comprovar que o sentimento de alegria e a predisposição ao bom humor podem contribuir na diminuição de dores e prevenção de doenças físicas e psíquicas. As hipóteses são baseadas no entendimento de que as substâncias de prazer, quando liberadas no sistema nervoso, têm consequências no corpo que são mais fortes do que as ligações que expressam dor.

Também em meio ao debate sobre o bem-estar e a felicidade, uma novidade tem se espalhado pelo mundo: o índice de Felicidade Interna Bruta (FIB). Até então, muito se falava sobre como o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de um país contribui para o bem-estar de sua população. A riqueza, contudo, não é garantia de felicidade. O FIB leva em consideração que o bem-estar psicológico da população é tão importante quanto o crescimento socioeconômico. Para obtê-lo, somam-se ao PIB outros indicadores sociais, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e fatores para medir o nível de bem-estar das pessoas. O objetivo principal do FIB é construir uma sociedade a partir da integração do desenvolvimento material com o psicológico, o cultural e o espiritual.

“O FIB leva em consideração que o bem-estar psicológico da população é tão importante quanto o crescimento econômico.”

A implementação da FIB como parâmetro de análise social em âmbito nacional é complicada, uma vez que se trata de um projeto de transformação social, que requer apoio e mudanças no modo de gerir as políticas sociais e públicas. Os governos podem tratá-la como parâmetro social e adotá-la, ou negligenciá-la  por considerá-la banal.

Tudo depende, principalmente, do propósito político. A sociedade pode e deve demandar a FIB, tomando conhecimento de seu funcionamento e requisitando sua implementação. Os brasileiros não parecem muito felizes  e a FIB poderia colaborar como um recurso de sondagem para descobrir se a população está mais infeliz do que economicamente satisfeita, ou vice e versa. Esse índice é importante para repensar o tipo de sociedade que se está formando e, mais importante, onde essa sociedade chegará. A felicidade não vem em primeiro lugar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: