PARA LER OUVINDO

Por Anna Vitória Rocha

Você já parou pra pensar que todo mundo que você conhece um dia vai morrer?

Essa frase faz parte da letra de “Do You Realize?”, música da banda americana The Flaming Lips. Embora seja uma constatação forte, a intenção da música não é ser triste ou melancólica e nem quer nos colocar em posição fetal pensando sobre a finitude das coisas. Quer dizer, nos forçar a pensar que vamos todos morrer mesmo talvez seja a intenção de Wayne Coyne e sua turma, mas de um jeito positivo. Se todas as pessoas (incluindo eu e você) estamos aqui de passagem, o melhor que podemos fazer é aceitar que breve é a vida e que precisamos aproveitar o que ela tem para oferecer.

Ao final de “O Dorminhoco”, o personagem de Woody Allen diz que acredita apenas em duas coisas: no sexo e na morte. A fala faz parte de uma piada maior (Miles Monroe acredita em sexo e morte pois são duas coisas que acontecem apenas uma vez em sua vida), mas os temas são tão recorrentes em tudo que a humanidade faz pois representam o início e o fim das nossas vidas – e acabam tendo a ver com tudo que acontece ali no meio.

A música não escapa dessa ideia fixa da humanidade e, nessa edição, a Nós separou um compilado de músicas que falam a respeito da morte, mas seguindo a tônica do Flaming Lips (que, aliás, abre a seleção): a ideia não é (só) provocar tristeza e melancolia. São músicas que fazem pensar, como quando Jenny Lewis, do Rilo Kiley, coloca a vida moderna em perspectiva e diz que nossas ambições pequeno-burguesas não fazem muito sentido quando a gente pensa que vai morrer um dia, lá em “Pictures of Success”. Algumas falam sobre quem já morreu, como na despedida de Elton John em “My Father’s Gun”, ou na música mais deliciosamente triste do mundo, que o Paul McCartney escreveu para o John Lennon depois que este morreu, “Here Today”; e outras, como a do The Smiths, diz que não há nada mais celestial do que morrer ao lado do grande amor. Ok, né?

O tema é espinhoso, mas juramos que as músicas são boas. E, caso te dê vontade de se deitar em posição fetal pensando sobre a finitude de todas as coisas, incluindo a sua, lembre-se do que o Wilco diz em “On and on and on”: por favor, não chore, fomos feitos para morrer – e siga em frente.

carlos_araujo_esqueleto_blog

Imagem: Canal Glam

Então, se seus fones de ouvido já estiverem à postos, basta dar o play na mixtape que preparamos especialmente para essa edição. Como a gente sabe que você quer continuar lendo a revista sem parar de ouvir as músicas (inclusive: recomendamos), basta clicar aqui para abrir a Nós em uma nova guia. Bom som e boa leitura!

P.S.: Ao dar o play, você vai precisar de uma conta no Spotify. Se ainda não tiver uma, você cria com um clique através da sua conta no Facebook. 😉

Anúncios