MORTA COM FAROFA

Por Paula Nascimento

Uma vez meu chefe falou que um bom publicitário deve saber falar sobre tudo. Desde a novela das sete até o genocídio armênio e assim vai. A propaganda tem que saber falar bem sobre tudo porque ela vende todo tipo de produto, todo tipo mesmo, até um jazigo confortável em um cemitério.

A questão é que vivemos em uma sociedade que teme a morte, que não a celebra e em que as tias batem na madeira três vezes quando a sobrinha gótica diz que “queria estar morta“. Pra qualquer agência, atender a conta de um cemitério de uma forma criativa é um desafio, mas sabe de uma coisa? Os social media da CJFlash, que é a agência que atende o Cemitério Jardim da Ressurreição, estão conseguindo fazer isso muito bem. Desde o dia 25 de março desse ano, a página do Cemitério no Facebook aposta no humor pra divulgação da sua marca. O resultado foi ótimo, a página, que no dia 2 de maio comemorava 500 curtidas, já tinha, no início de agosto, 7,5 mil fãs.

Artes: Fanpage Cemitério Jardim da Ressurreição

Associar o humor leve a um assunto tão pesado quanto a morte não é uma tática inédita. No ano passado, outro cemitério de Teresina (publicidade piauense sambando!) também fez algo parecido. A página do cemitério Recanto da Saudade (que agora não existe mais) saiu até no G1 por causa desse post:

Essa tendência não é nova no ramo da publicidade e, mesmo no caso do Cemitério Jardim da Ressurreição, o humor fica limitado à internet, um meio onde a linguagem pode ser mais “leve”. Mas existem outras agências e clientes que vão além e partem pra mídia tradicional, isso é, impressos, rádio e TV. A Sinaf, empresa carioca de seguros e também de assistência funerária, decidiu usar o humor em 2001 e, desde então, ganhou diversos prêmios de publicidade, além de vários novos clientes. A linguagem sarcástica está presente até mesmo em seus outdoors.

O Memorial Parque do Maceió também resolveu confiar na criatividade da agência e apostar no humor para divulgação de sua marca. O resultado foi um vídeo campeão dos maiores prêmios de publicidade de Alagoas, produzido pela Novagencia Comunicação.

Fonte: Novagencia Comunicação

Que é difícil tratar da morte e vender um jazigo em um cemitério, todos concordam. Mas as agências de publicidade nacionais têm se saído bem até agora. Afinal, propaganda é a alma do negócio e a morte vende que é uma beleza.

Talvez o segredo do sucesso dos criativos por trás dessas ações seja pensar na vida com mais leveza, o que, consequentemente, torna a morte um processo natural, que não precisa necessariamente ser tratado com tanta dor e pesar. Pelo menos, foi nisso que uma funerária portuguesa, a Funalcoitão, acreditou ao produzir um de seus anúncios (que, por sinal, é lindo!).

Fonte: Funalcoitão

E olha só, os uberlandenses do Umnavio também resolveram levar a morte com menos seriedade e esse ano lançaram a música Funerária Bom Descanso! Desse jeito todo mundo vai poder morrer feliz. ☺

Fonte: Lucas Dal

Ah! E pra quem se interessa por criação, aqui tem uma entrevista bem legal com o diretor de criação da CJFlash falando sobre a página do Cemitério Jardim da Ressurreição.

Anúncios